O filme A Mulher Rei, lançado em 2022, é um filme que retrata a força e a doçura das mulheres negras. Viola Davis, atriz multipremiada, é a personagem principal do longa, que conta com perfeição a história de guerreiras africanas. 

Review do filme A Mulher Rei
Imagem: Reprodução

Filme A Mulher Rei

Desde o anúncio de A Mulher Rei, antes de se tornar um objeto de apreciação, muitas pessoas já esperavam muito do longa. Agora que o lançamento já aconteceu, ele não deixou a desejar em nenhum aspecto. 

O filme foi bem apreciado em critérios extras, sem abrir exceções para olhares detalhistas e tudo que envolve criteriosamente uma produção. É fundamental que o público preste atenção a cada detalhe, desde a narrativa até a direção. 

Quando a produção de A Mulher Rei foi anunciada, seu objetivo era se tornar um objeto de arte. Esse filme foi escrito para enaltecer as histórias inviabilizadas, com personagens que são desconhecidos ou superestimados. Além disso, ele corrige injustiças, pensado para mudar a realidade social. 

Um ótimo exemplo de produções com esse impacto é Pantera Negra. Embora seja um filme de herói, ele foi criado para encantar pessoas de todo o mundo, com entretenimento indiscutível. Entretanto, ao mesmo tempo que ele transmite esse sentido, também enaltece a história do continente africano. 

Os filmes criados com o objetivo de enaltecer a história de um povo, ou corrigir a injustiça com personagens negros, não poderiam ser menos do que super produções audiovisuais. E, por fim, servem para emocionar até mesmo os adultos. 

Guerreiras Agojie

O filme A Mulher Rei é inspirado nas guerreiras Agojie, um grupo de mulheres formado na África Ocidental, com história centrada no século 19. Nesse momento, o perigo tomava forma nos mercados de escravos europeus e impérios locais. 

A história é seguida da perspectiva da personagem de Viola Davis, Nanisca, a general e líder do grupo Agojie. Entretanto, além da protagonista, somos apresentados a personagem de Thuso Mbedu, uma moça que é oferecida para trabalhar no reino do Rei Ghezo. 

O orçamento inicial do filme foi de cinquenta milhões de dólares, seguindo os passos de Coração Valente e Gladiador. Essa produção une a ação e o encanto em cenas meticulosas e vividas, principalmente na representação do reino Daomé. 

Para as grandes paisagens, alguns críticos julgam o uso de efeitos especiais, e em alguns cortes de luta para evitar a violência gráfica. Enfim, seja pelo excesso de cenas fechadas ou capturas pouco precisas, ela não atrapalha de nada a construção do filme. 

Majestoso

Entre as características do filme, não podemos deixar de citar a produção visualmente majestosa. Todos os cenários respiram e não são artificiais, enfatizando ainda mais a imersão do elenco e do cineasta durante as cenas. 

Prince-Bythewood traz uma impotência para as guerreiras, algo que é apresentado logo no começo da obra. Na medida que as atrizes assumem suas feições, os trabalhos corporais e a ferocidade são transmitidos à tela com maestria. 

Enfim, como todos os telespectadores esperam, Viola Davis é um espetáculo à parte. A sua personagem chama a atenção pelas habilidades de luta, encarando os personagens com uma fúria palpável e comandando.

Outro aspecto extremamente imersivo é o cuidado que a obra possui com os costumes culturais, principalmente nos rituais de dança. A Mulher Rei é uma produção repleta de imprecisões históricas, mas a fidelidade com a história real pode ser deixada de lado, já que não se trata de um documentário. 

Roteiro

O roteiro do filme foi criado por Dana Stevens e Maria Bello, seguindo o grupo de guerreiras que existiu para criar uma narrativa com temas universais, como: comunidade, honra e unidade. O filme segue linhas com cunho feminista, além de criticas contra o racismo e o histórico de colonizadores.

Enfim, a história do filme é super interessante, com amazonas lutando pela liberdade em um cenário histórico épico. Para os telespectadores que continuam aborrecidos com imprecisões históricas, existem outras produções que não são exatamente fiéis à história, como o próprio Gladiador. 

Na medida em que a história avança, é possível observar menos o arco de Nanisca para ganhar o nome do filme. Enfim, a partir desse momento, acompanhamos a trajetória de Nawi para se tornar uma grande Agojie ao chegar no reino. 

Veja também: Review do filme Órfã 2: A Origem